Atores Políticos e Dinâmicas Eleitorais

Org's: Emanuel Freitas da Silva/ Francisco Horácio da Silva Frota/ Maria Andréa Luz da Silva


O livro que o leitor tem diante de si, Atores políticos e dinâmicas eleitorais, reúne um conjunto de textos que versam sobre a realidade política brasileira, em suas diversas dimensões, mas enfocando, sobretudo, desdobramentos políticos nas/das eleições de 2018, em âmbito nacional ou âmbito estadual. Os autores, advindos de diversas instituições do país, tendo acumulado consideráveis experiências de pesquisa sobre a política e as eleições, proporcionam ao leitor uma compreensão dos atores políticos brasileiros, das forças emergentes no cenário contemporâneo e das novas configurações de forças, além de uma apurada análise, com enfoques diversos, dos resultados eleitorais de 2018. Ao final da leitura, de cada um dos textos e do livro como um todo, o leitor contará com um importante material de investigação, uma imprescindível fonte bibliográfica e, acima de tudo, a motivação a dar, ele mesmo, dar continuidade aos estudos sobre da política e das eleições. 

Com a publicação desta obra, o Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas, da Universidade Estadual do Ceará almeja seguir contribuindo com o debate sobre os processos eleitorais, tema relevante para a consolidação da democracia no Brasil.


Link para baixar: E-PUB

Defesa dos Povos do Atlântico Sul

Autora: Mônica Dias Martins (Org.), 2017

A coletânea que ora vem a lume é o resultado de dois anos de pesquisas (2015-2017), financiadas pelo Conselho Nacional de Defesa (MD), por meio do Instituto Pandiá Calógeras. É composta de um introdução teórica voltada a uma abordagem renovada do conceito de "defesa" e, em seguida, são apresentados nove estudos de caso que, se não cobrem a totalidade dos países banhados pelas águas calmas do Atlântico Sul, fornecem todavia, ao leitor um panorama bastante abrangente sobre a realidade social, política, demográfica, econômica e, sobretudo, estratégica das nações em tela.







Mais política, sempre política

Organizador: Francisco Josênio Camelo Parente, 2015

Na medida em que avança a democracia, mais se pede, mais se precisa da análise política. Os brasileiros estão dando sinais evidentes de que querem participar da vida pública, querem fazer política, basta olhar para as manifestações de rua de 2013 e de 2015. É estimulante. Este livro reúne os textos de doze autores que publicaram sua opinião sobre questões políticas ao longo do ano eleitoral de 2014. As questões mais relevantes e polêmicas foram analisadas por profissionais de alto nível de formação acadêmica, quase todos professores universitários. O Brasil foi radiografado nessas páginas.   






Método e Técnicas de Pesquisa sobre o Mundo do Trabalho

Autores: Giovanni Alves, João Bosco Feitosa dos Santos, 2014

O livro-coletânea “Métodos e Técnicas de Pesquisa sobre o Mundo do Trabalho” não é um manual de pesquisa social na Área de Trabalho. Todo leitor de manuais de metodologia de pesquisa no campo das Ciências Sociais é candidato a se frustrar com o que lê. Quem espera, de um curso de metodologia, receitas padronizadas, adequadas à todas suas investidas no oficio da pesquisa, estará fadado a frustração. Cada pesquisa requer procedimentos específicos e, por mais que se queira padronizar técnicas, há que se ter em mente a ideia, defendida por Mills (1969), de considerar a investigação um “artesanato intelectual”. Logo, ao se pensar em trabalho artesanal, se imagina o oposto da rigidez da fabricação em série, fordista, padronizada, em que a relação do produtor com o produto é completamente diferente do modus operandi artesanal. O artesão parte de uma ideia, vai elaborando um produto passo a passo, com o conhecimento de cada etapa da ação, e com a liberdade de flexibilizar procedimentos para reconduzir o caminho da elaboração, caso seja necessário. O artesão costuma usar material disponível, o empregando com criatividade com base nas ferramentas de que dispõe, resultando numa obra que o diferencia dos demais e o estimula a continuar criando, seja qual for o resultado estético e operacional da obra. 

A Fé e a Razão na Sociedade: a participação política em foco

Autor: Francisco Josênio Camelo Parente, 2013

A fé e a razão estão presentes na base das relações sociais.Na política, esse quadro se traduz pelas diversas formas de participação. Para refletir sobre a realidade, no Brasil do inicio do século XX, utiliza-se o modelo weberiano de cooptação e representação política.






PERSEGUIÇOES QUE HUMILHAM: assédio moral e violência de gênero

Autora: Eugênia Suely Belém de Sousa, 2013

A obra "Perseguições que humilham: assédio moral e violência de gênero", da autora Eugênia Suely Belém de Sousa, versa sobre a incidência do assédio moral e da violência de gênero na Universidade do Estado do Pará (UEPA), como resultado da pesquisa desenvolvida para a dissertação de Mestrado Profissional em Planejamento em Políticas Públicas da Universidade Estadual do Ceará. Considera a autora ser o assédio moral fenômeno redescoberto e reavaliado na contemporaneidade. Para ela o ambiente de trabalho é local de frequentes e intensivos relacionamentos na convivência cotidiana entre as mais diversas formas e variados tipos de pessoas. Tais ambientes, quando não bem-cuidados, tornam-se espaços ideais para o desencadeamento do assédio moral. O tema ainda é novo anota a autora, e, para atingi-lo amplamente, é necessária a visão de outras ciências, como Psicologia, Administração, Sociologia e Filosofia dentre outras. Eugênia Suely Belém de Sousa considera o assédio moral como uma forma de violência. As preocupações com o assédio moral no Brasil tem o foco principal voltado para o ambiente de trabalho. 



Trabalho e Formação Profissional: juventudes em transição

Autores: Júnior Macambira; Francisca Rejane Bezerra Andrade, 2013

Num contexto mundial em que os impactos da crisa financeira internacional afetam ainda mais fortemente as condições de vida e de trabalho de contigentes maiores da população mundial, o livro "Trabalho e formação profissional: juventudes em transição" nos proporciona indispensáveis subsídios para melhor compreender a complexa e difícil situação enfrentada pelos jovens nos mercados de trabalho.Os textos que confortam essa valiosa coletânea trazem novas abordagens e interpretações sobre os mais importantes temas relacionados às dificuldades que as juventudes enfrentam nas suas relações com o trabalho; as situações de pobreza; os problemas nas fases de transção escola-trabalho; as necessidades de desenvolver e acompanhar as mudanças nos requisitos de formação e qualificação profissional, entre outros.Analisando um segmento que constitui uma ampla parcela, em escala mundial, dos desempregados ou ocupados em situação precárias, no trabalho informal, em atividades ilegais ou ilícitas, dos trabalhadores que enfrentam maior insegurança e menores rendimentos, o conjunto dos textos revelam dimensões da vida das juventudes que também nos ajudam a refletir sobre as motivações da participação desse segmento nas manifestações que tem "sacudido" diferentes sociedades do oriente ao ocidente, especialmente no caso brasileiro.



No meio do mundo, esquina com o rio Amazonas: reflexões políticas sobre o Amapá

Autor(es): Francisco Horácio da Silva Frota/Maria Helena de Paula Frota (Orgs.), 2012

Este livro é uma reflexão sobre o povo e as instituições do Estado do Amapá destacando temas como políticas educacionais, políticas de saúde, políticas de trabalho e avaliações de políticas sociais.





O Femicídio no Ceará: machismo e impunidade?

Autoras: Maria Helena de Paula Frota e Vívian Matias dos Santos, 2012

Este livro traça um paralelo entre a violência de gênero e a ocorrência do femicídio. Era preciso encontrar uma palavra que definisse a escalada de violência contra mulheres que resulta em morte: Femicídio. Não é um termo oposto a homicídio, da mesma forma que feminismo não se opõe ao termo machismo. O Feminismo é uma luta libertária, que visa livrar mulheres (principalmente elas) e homens dessa doença social que é o machismo, causa de preconceitos, exclusão, intolerância, agressões e mortes.O título dado ao livro que resultou desta pesquisa, deixa no ar uma reflexão dolorosa: Femicídio, impunidade ou machismo? Em pleno século XXI os homens continuam achando que as mulheres são propriedades suas. Os padrões culturais estão mudando, mas persiste a idéia histórica sobre a mulher, que ainda é considerada incapaz e vista como objeto sexual. Os casos de violência contra a mulher, narrados neste livro, põe a lume os limites da nossa sociedade para o combate ao machismo. E deixa transparecer quem apadrinha o machismo: a impunidade.A pesquisa foi realizada na região Sul do Estado, o Cariri, onde se destacou o número de notificações de mulheres vítimas de crimes violentos com morte. E teve como objetivo principal investigar a incidência de assassinatos de mulheres no Ceará, caracterizados como femicídio. A partir do ano de 2000, período de crescente aumento do fenômeno em todo o Estado. Financiado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República e pelo CNPq.



Assasinato de mulheres no Ceará: antes e depois da Lei Maria da Penha

Autores: Maria Helena de Paula Frota, Vívian Matias dos Santos, Hayeska Costa Barroso e Daniele Ribeiro Alves, 2012

O livro, Assassinato de Mulheres no Ceará: antes e depois da Lei Maria da Penha, analisa o fenômeno da violência contra a mulher em sua manifestação mais atroz: o assassinato. A obra é fruto de uma pesquisa financiada pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República – SPM e CNPq. Com origem do ano 2000, foi possível observar o significativo aumento dos índices de homicídios no Estado, dentre os quais se destacou o alçado quantitativo de registro de assassinatos cruéis de mulheres, indicando, por conseguinte, o crescimento da violência contra a mulher. O intento dessa obra é refletir sobre o fenômeno e oferecer subsídios para a aplicação da referida lei, bem como sugerir estratégias para a formulação de políticas públicas que visem à prevenção e à redução da violência desse perfil no nosso Estado. Como estratégias metodológicas para o alcance de tal propósito, firmaram-se: pesquisar as relações que envolveram vítimas e agressores, recompondo a trajetória de vida dessas mulheres, além da situação de violência a que foram submetidas e que culminaram com as suas mortes; constituir o perfil socioeconômico e cultural das mulheres assassinadas; elaborar um diagnóstico sobre esses assassinatos em todo o Estado, com ênfase nas particularidades regionais que influenciam na conformação da singularidade dos crimes; avaliar as repercussões da aplicação da Lei Maria da Penha, tendo como referência as ocorrências das violências, suas reincidências e o número de assassinatos de mulheres no Estado.  


MULHERES ABRIGADAS, VIOLÊNCIA CONJUGAL E TRAJETÓRIAS DE VIDA

Autora: Maria Jaqueline Maia Pinheiro, 2012

A obra trata da violência contra a mulher e sua trajetória de vida, culminando com seu abrigamento por parte do estado. Em razão desta realidade, o movimento de mulheres reivindicou, dentre outras lutas, a instalação de casas-abrigos. No Ceará, em 1992, foi criada a Casa do Caminho – abrigo para mulheres vítimas de violência doméstica, que tem como principal objetivo o acolhimento destas, juntamente com seus filhos, oferecendo-lhes proteção e possibilidade de recuperar a auto-estima. Esta pesquisa tem como objetivo apreender as representações sociais das mulheres abrigadas na Casa do Caminho, sobre a violência conjugal e o significado do abrigo em suas vidas. Trata-se de um estudo de campo, exploratório, com abordagem qualitativa e quantitativa, pois traça o perfil das mulheres acolhidas na casa-abrigo única de Fortaleza, no período de 1992 a 2002. Enfoca o processo de ruptura conjugal e os porquês do retorno da mulher à relação violenta. Analisam as dificuldades que as mulheres enfrentam nos "espaços de rupturas" e a fragilidade das políticas públicas em apoiá-las neste embate, bem como em promover condições para o empowerment das sobreviventes, a fim de mitigar esse fenômeno que atinge diariamente milhares de seres humanos. A obra está dividida em cinco capítulos, cujo conteúdo está expresso no resumo.



Mulheres e Homens na Política de Ciências e Tecnologia

Autora: Vívian Matias dos Santos, 2012

A obra "Mulheres e Homens na Política de Ciência e Tecnologia: ruptura dos Códigos de Gênero ou Mecanismos Sutis de discriminação?" é fruto de uma análise consistente de como mulheres e homens participam do processo da formulação das ciências num campo de conflitos entre visões de mundo diferenciadas e descontínuas. Partindo dessa intenção, a autora percorreu longos caminhos para que, de modo mais aproximado fossem esboçados traços de sociabilidade no campo científico, estabelecida sobre bases desiguais. Para tanto, delimitou seu estudo sobre uma realidade mais específica, a participação de mulheres e homens na Política de Ciência e Tecnologia, na Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FUNCAP. Vale ressaltar que a autora, para estabelecer comparações, necessitou também produzir estatísticas acerca de outras instituições, tais como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e o Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia (CCT). A necessidade de tal elaboração, no entanto, se deu no sentido de mapear a participação de mulheres e homens na ocupação de cargos relevantes para a definição da Política de C&T no Brasil.



MULHERES DA AMAZÔNIA: O drama do escalpelamento

Autor: André Gustavo Moura Guimarães, 2012

Considera-se escalpo a avulsão de parte da cabeleira humana, com diferentes conotações na história. Na Amazônia, o escalpelamento surgiu quando os barcos à vela passaram a ser movidos a motores. É um acidente decorrente da tração dos cabelos presos aos motores desprotegidos das embarcações de pequeno e médio porte. Para a assistência integral às vitimas de escalpelamento são necessárias ações integradas. O objetivo deste livro é identificar os cenários destes acidentes no Pará, as ações relativas a políticas públicas e legislações estruturantes da rede hospitalar e previdenciária, além de medidas preventivas. Trata-se de um estudo descritivo, analítico e transversal, realizado em duas etapas: sistematização dos dados relativos à organização social e de políticas públicas, e identificação sociodemográfica dos acidentes. A busca de informações partiu de material jornalístico, sites oficiais do governo, produções acadêmicas, visitas aos locais dos acidentes, hospitais e associações.



Mulher, tráfico de drogas e prisão

Autora: Maria Juruena de Moura, 2012

A obra trata do tráfico de drogas e o envolvimento das mulheres nessa atividade e sua consequente prisão. Segundo o Departamento Penitenciário Nacional - DEPEN, o tráfico de drogas consideradas ilícitas, no Brasil, constituiu, nos últimos anos, a atividade que mais propiciou ingresso de mulheres no sistema penal brasileiro. A adesão de mulheres, nessa "atividade" é progressiva, mudando as estatísticas de 32,6% em 1988, para 56,1% em 2000.  Outro aspecto importante do livro é o entendimento das mulheres presidiárias sobre o ato de traficar droga. Elas consideram tal atuação como atividade laboral de risco, mas não como crime. Justificam ser uma oportunidade de trabalho em face das condições de vida e pobreza e falta de oportunidades para a entrada no mercado de trabalho. De forma geral, as mulheres, na atividade do tráfico, desempenham a função de "mula" que, na sua descrição, se traduz no ato de transportar a droga, justificada na disposição e poder de mobilidade que as mulheres têm no espaço comunitário e urbano. Tal conteúdo está distribuído na obra em cinco capítulos. A publicação deste livro é necessária, importante e oportuna para todas as pessoas preocupadas e comprometidas com as temáticas, tanto na academia como na gestão de políticas públicas.



Primeiro-Damismo no Ceará: Luiza Távora na gestão do social

Autora: Moíza Sibéria Silva de Medeiros, 2012

Esta obra tem como objetivo geral compreender o papel da primeira-dama Luíza Távora na gestão do social no Ceará, durante os dois mandatos de seu marido, Virgílio Távora, no executivo estadual nos anos de 1963-1966 e de 1979- 1982, quando retorna ao poder. E como objetivos específicos: problematizar a atuação de Luíza Távora nas esferas pública e privada e compreender os papéis desempenhados por ela no social. O estudo caracteriza-se pelo recurso à memória, tendo lançado mão, primordialmente, da História Oral, com a realização de sete entrevistas com pessoas que atuaram no social durante o segundo período da gestão de Luíza Távora; e se utilizou dos arquivos disponíveis no Acervo Virgílio Távora e dos jornais da época, referentes aos dois períodos estudados.  Assim, infere-se que a atuação de Luíza Távora no social se apresentou de forma híbrida: de um lado buscava inovar no âmbito do social dando ênfase à qualidade técnica dos serviços, com a introdução do planejamento, com a ampliação do número de atendimentos e serviços, porém, de outro, se projetava a figura da benemerência e da caridade, da vocação ao cuidado do outro, associado ao signo cristão e "feminino" do próximo e do amor aos pobres.



O FEMININO DILACERADO E A "PURIFICAÇÃO" E "SANTIFICAÇÃO" DE MULHERES ASSASSINADAS NO CEARÁ

Autora: Daniele Ribeiro Alves, 2012

A obra intitulada, "O Feminino Dilacerado: "Purificação" e "Santificação" de Mulheres Assassinadas", visa discutir as questões de gênero que gravitam em torno do assassinato e "santificação" popular de mulheres no estado do Ceará. A partir de entrevistas e análise de documentos vislumbrou-se refletir sobre as relações que se estabelecem entre a prática de assassínio de mulheres, religiosidade popular e gênero. Dentre os objetivos da pesquisa, procurou-se entender o controle do feminino como expressão religiosa, especialmente, da igreja católica. Averiguou-se também como se constrói a noção de sagrado nessas narrativas e o entrelaçamento que se fundou com o imaginário da população.  As "santas" populares estudadas são de vários locais do estado do Ceará e foram analisadas de acordo com a divisão por macroregiões do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará- IPECE, portanto, são: cinco "santas" no Centro-Sul; duas no Sertão Central, três em Sobral- Ibiapaba, três no Litoral Leste; uma no Sertão do Inhamus e duas na região Metropolitana de Fortaleza. Enfim, nas palavras da autora, a sua intenção com essa obra foi, " descortinar os véus", o que significa romper com o silêncio dos assassinatos de mulheres, ou seja, olhar atento para o símbolo de santidade (o véu) e desvendar o crime passional, o profano e o sagrado, o público e o privado. A metáfora propõe rupturas com discursos, com normatividades que perpetuam e afetam os atores sociais, no caso, as mulheres, "santas martirizadas".



Uma Mulher na Gestão Pública: Aldaci Nogueira Barbosa

Autora: Paula Raquel da Silva Jales, 2012

A obra trata da experiência de uma mulher na gestão pública municipal no cargo de Superintendente da Fundação do Serviço Social de Fortaleza, autarquia municipal, durante o período de 1967 a 1976. Para a autora, tornar visível a atuação dessa mulher na gestão pública foi fundamental para evidenciar e refletir sobre ações e papéis assumidos por Aldaci no percurso da sua história como gestora na área social, campo historicamente definido na sociedade com menor valor na divisão sociotécnica do trabalho. Dos registros das realizações efetivadas por Aldaci Barbosa, a autora distinguiu duas fases o que ela denominou de "coleção de si" e "coleção do outro". A "coleção de si" são documentos que foram guardados pela protagonista, que contêm momentos significativos vivenciados por ela na referida Fundação com suas realizações, registros que comprovam sua intensa dedicação ao trabalho. A "coleção do outro" são os arquivos de propriedade do viúvo, Sr.João Nogueira Mota, que na época ocupava o cargo de diretor do Centro Social Urbano Presidente Médici. Nesse sentido, a autora enfocou suas reflexões ao recuperar a memória de Aldaci na gestão do social desde a época do Pirambu até a Fundação do Serviço Social de Fortaleza, explicitando seus múltiplos significados, recuperando o passado e encontrando elementos redefinidores e balizadores da atual política de assistência social que certamente contribuirão nas discussões da supra citada política.


Tráfico de mulheres e exploração sexual

Autora: Priscila Nottingham de Lima, 2012

A obra trata do tráfico de mulheres para fins de exploração sexual no Ceará. Contudo, a prática foi evidenciada nacionalmente pela primeira vez por meio da Pesquisa Nacional sobre o Tráfico de Mulheres, Crianças e Adolescentes (Pestraf), publicada em 2002, que identificou a existência de 241 rotas de tráfico para fins de exploração sexual no país. Dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), citados no livro, apontam que em 2007, 2,4 milhões de pessoas foram vítimas de tráfico de seres humanos; destas, 43% foram traficadas para exploração sexual e 32% para exploração econômica. A OIT calcula ainda que a metade dessas vítimas é de menores de 18 anos. Ainda de acordo com o I Diagnóstico sobre o Tráfico de Seres Humanos realizado em 2004, destaca São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Ceará como os estados que mais praticam essa atividade. A visibilidade da questão mobilizou o Estado a implantar políticas de enfrentamento por meio da criação de Escritórios de Combate, Prevenção e Assistência as Vítimas. 







Produção Simbólica e Política Industrial: análise do discurso do Governo das Mudanças

Autora: Maria Andréa Luz da Silva, 2011

Este livro analisa o discurso do governo Tasso Jereissati, o chamado "Governo das Mudanças", e mostra como ele construiu uma legitimidade na transição política e não uma hegemonia. Assim, o governo teve na produção simbólica uma marca indelével. Era o momento de reconhecimento da soberania popular, mas ele atuava de forma empresarial, captando-a para uma ação política mais racional. O Governo das Mudanças teve outra marca: ao combater o patrimonialismo, foi pioneiro no caminho do Brasil rumo ao liberalismo. Ele se antecipou com mudanças significativas nos costumes políticos, ao introduzir um componente decisivo da ética liberal, qual seja, o limite simbólico entre o público e o privado numa sociedade moderna.






Crime e Ciência Penal no Estado Nação: legislação e formação do estado brasileiro

Autores: Antonio Roberto Xavier/ Ednaldo Ribeiro de Oliveira, 2010

Os autores partem de alguns pressupostos reflexivos acerca de como se deu a implantação do direito penal e como este atua em sociedades cuja realidade é bem diferente das sociedades nas quais foram erigidos seus estatutos jurídicos. 






Criminalidade:do banditismo social ao crime organizado no Brasil

Autor(es): Antonio Roberto Xavier, 2010

A questão dos diversos tipos de inseguranças sociais, como desemprego em massa, precariedade nos serviços de saúde, segurança civil, educação etc. tem proporcionado o aumento da criminalidade de forma diversificada e cada vez mais assustadora. Todavia para entender a atual realidade da situação criminógena na sociedade julga-se necessário se falar da trajetória do crime, suas origens, evolução expansão, ou seja, é preciso que se faça um breve (re)visitamento ao passado histórico visando analisar as raízes da violência e da criminalidade.






Dos Andes aos Pampas

Autor(es): Francisco Josênio Camelo Parente/Hermano Machado Ferreira Lima/Francisco Horácio da Silva Frota, 2010

Trata-se de uma coletânea de artigos acerca da América Latina na conjuntura do século XXI, mais especialmente, o atual processo de mudanças que vem ocorrendo. Mudanças estas, bastante significativas e que deixam apreensiva aquela geração que teve a oportunidade de viver sob a guerra fria.







Violência nas Relações de Gênero e Cidadania Feminina

Autora do livro: Prof(a) Dra. Maria do Socorro Ferreira Osterne, 2008

Comentário: Prof.(a) Dra. Maria Helena de Paula Frota

A obra destaca o jugo plurisecular da dominação masculina no âmbito doméstico onde o poder e a violência transfigura as relações afetivas e interpessoais, sem esquecer a resistência cotidiana feminina no referido espaço. Tal análise exige, portanto reflexões e mudanças por parte da sociedade frente a exacerbada cultura machista pois, conforme atesta a autora, ainda coexistem signos masculinos e femininos naturalizados historicamente, alimentando as fronteiras das desigualdades entre os gêneros, sendo a violência a sua forma mais cruel de manifestação.




Gênero, Geração e Família: Temas Transversais

Prof (a). Dra. Maria Helena de Paula Frota (Orgs)Prof (a). Dra. Maria do Socorro Ferreira Osterne (Orgs), 2004

Destacar a transversalidade dos temas Família, Gênero e Geração constitui-se o objetivo central desta obra que, em linhas gerais, abriga reflexões teóricas, pesquisas e resenhas sobre assuntos, aparentemente, específicos e independentes, não obstantes essencialmente oblíquos.Família, Gênero e Geração, de fato, embora possam expressar-se como categorias distintas e saberes específicos, resguardam infinitas relações. Além do mais, sob o ponto de vista analítico e conceitual, suscitam questões ainda minadas de incertezas, plenas de controvérsias e pontuadas de ambiguidades.este trabalho reúne produções de professores, alunos e profissionais que vêem trabalhando com esta temática no âmbito das academias cearenses, especialmente da Universidade Estadual do ceará, sob a liderança de suas organizadoras.





Família, Pobreza e Gênero: o lugar da dominação masculina

Autora: Maria do Socorro Ferreira Osterne, 2001

Este livro originado da tese de Livre Docência da Profª. Socorro Osterne, intitulada Dinâmica, Composição e Valores Familiares: Oposições e Complementaridade entre o feminino e o masculino, enfoca três grandes categorias de análise na área das Ciências Humanas e Sociais, a saber: Família, Pobreza e Gênero. Seu propósito é identificar, nas famílias pobres da periferia de Fortaleza, os padrões de hierarquia e as relações de autoridade que os homens e as mulheres, em suas condições específicas de gênero, estabelecem entre si no movimento de suas cotidianidades. O trabalho reconhece que o fenômeno da dominação masculina, ou tal qual disse Bourdieu, a onipresença da visão androcêntrica do mundo é algo que se interpõe microfisicamente, entre as situações de vida da comunidade analisada.







A Fé e a Razão na Política: conservadorismo e modernidade das elites cearenses

Autor: Josênio C. Parente, 2000

A fé e a razão foram o roteiro da modernidade, no Ocidente. O Ceará também segue essa trilha. Neste livro do professor Josênio Parente, produto de uma tese de doutorado em Ciência Política na Universidade de São Paulo, o Ceará é explicado a partir do entendimento de suas elites políticas. A imagem de um Nordeste monolítico já não se sustenta, e entender as especificidades estaduais é uma forma de apreender a realidade brasileira e sua dinâmica político-partidária.





Saúde em Debate no Legislativo: palavras, atos e omissões

Autor(es): João Bosco Feitosa/Maria Helena de Paula/Maria Salete Bessa Jorge/Márcia Girão (Orgs.), 2000

O livro sistematiza, de modo denso ecrítico, o trabalho de articulação da Assembléia Legislativa doCeará, através de sua Comissão de Saúde e Seguridade Social, comos trabalhadores de saúde e a sociedade civil em geral, visandotransformar demanda sanitária em ação concreta do poder público.E os últimos anos têm sido férteis em desafios sociais etecnológicos: os planos privados de saúde, a previdência privada,as aposentadorias, o código de saúde o financiamento da saúde, ostransplante de órgãos e tanto a história como o desempenho daprópria Comissão de Saúde e Seguridade Social. Tudo foi feito parainteressar políticos, legisladores, epidemiólogos, sanitaristas,cientistas sociais, sindicalistas, empresários que entendem forçade trabalho como investimento de qualidade e trabalhadores desafiadosa entender saúde e sofrimento, qualidade de vida e cidadania.



Anauê: Os camisas verdes no poder

Autor: Josênio Camelo Parente, 1999

"Camisa verde" era uma das denominações do Integralismo, um movimento ideológico considerado por alguns como"fascista", acontecido no Brasil na década de 1930 cujo lema era: "Deus, Pátria e Família". Além do uniforme (acamisa verde), o movimento possuía uma simbologia muito rica. A saudação entre os membros era feita com a mão estendida para o alto, gesto complementado pela palavra indígena "Anauê!". Dispunha de milícias e seus membros juravam fidelidade ao Chefe Nacional. Como organização política, objetiva a conquista do poder político do Estado. O livro do professor Josênio Camelo Parente faz uma análise da maior importância para a compreensão desse movimento no Brasil e no Ceará.


Doutorado Acadêmico em Políticas Públicas
Mestrado Profissional em Planejamento e Políticas Públicas

Campus do Itapery - Bloco de Estudos Sociais Aplicados - CESA / Av. Silas Munguba, 1.700 - 60.714-903 - Fortaleza-CE - Brasil
Fone: (85) 3101.9880 / E-mail: politicaspublicas@uece.br